Suscríbete

Contenido exclusivo para suscriptores digitales

María do Carmo Henríquez Salido

García Lorca + Guerra da Cal

O processo da elaboraçom dos “Seis Poemas Galegos” constituiu um dos segredos mais recóndito até o falecimento de Eduardo Blanco Amor (dezembro de 1979). O achado desses manuscritos e a compra pola Deputaçom Provincial de Ourense (21 de março de 1984) da sua biblioteca, documentos, manuscritos, correspondência, etc. desvendou parcialmente esse mistério. Com posterioridade, a Editorial Galaxia (21 de maio de 1993) comprou a plena titularidade de todos os direitos de propriedade intelectual.

O Professor Mario Hernández, na ediçom da produçom de Lorca (1981) fai constar a dedicatória da “Cantiga do neno da tenda” para Pérez Guerra, quer dizer, Guerra da Cal. A divulgaçom originou certa polémica na Galiza (Joel Gómez, 2015, pp.202-206). Dos textos publicados, mencionamos apenas dous de Méndez Ferrín, aparecidos no FARO DEL LUNES (a 13-X-1986 e a 11-V 1987), nos quais manifestava que esses poemas nom seriam possíveis se nom houvesse um Guerra da Cal e desejava que algum dia se levasse a cabo umha nova ediçom com esta capa: García Lorca / Guerra da Cal, “Seis Poemas Galegos”.

"É ruim e perverso que, quando se fala dos 'Seis Poemas Galegos', se silencie o nome de Guerra da Cal, umha das figuras mais importantes da cultura galego-portuguesa"

decoration

Ian Gibson (1987, pp. 180-18) considera que, depois da viagem de Lorca à Galiza em maio de 1932, ambos os poetas decidem compor poesia em galego; esclarece que fôrom compostos com intervençom de Guerra da Cal e acrescenta: “Lorca no conocía, ni podía conocer el idioma […] se embarca en aquella aventura contando previamente con la incondicional amistad y la imprescindible colaboración de un amigo gallego. Y ese amigo es Pérez Guerra” (Joel Gómez, 2015, pp. 207-208). Eduardo Blanco Amor favoreceu a ediçom, porém as ideias nessa altura deste escritor eram opostas às de Guerra da Cal, conhecido em Madrid pola sua defesa ferrenha do galego e as suas ideias “lusistas”. Em síntese: Guerra da Cal participou nos “Seis Poemas Galegos”, como evidenciam também os manuscritos (a caligrafia de Guerra da Cal é inconfundível).

É ruim e perverso que, quando se fala dos “Seis Poemas Galegos”, se silencie o nome de Guerra da Cal, umha das figuras internacionais mais importantes da cultura galego-portuguesa, reconhecida nos cinco continentes, mas silenciado na sua própria Terra. Profundamente marcado pola sua infância em Quiroga (Lugo), muito comprometido com a reintegraçom do galego no tronco comum galego-português e com a sua duríssima e razoada crítica das “aberrantes normas” oficializadas polo Governo galego em 1982.

O resultado da colaboraçom terá que ser: García Lorca + Guerra da Cal = “Seis Poemas Galegos”. Em notas de roda-pé deveriam inscorporar-se obrigatoriamente determinadas mudanças feitas por Blanco Amor a respeito do original; o ourensao só tivo umha intervençom a posteriori, “deturpadora dos textos originais” (Joel Gómez, p. 204).

Recomendamos a leitura das obras de Ian Gibson “Federico García Lorca. De Nueva York a Fuente Grande (1929-1936)” (1987) e de Joel Gómez: “Ernesto Guerra da Cal, do exílio a galego universal” (2015).

Compartir el artículo

stats