Galiza

11.06.2008 | 00:00

Maria do Carmo Henríquez Salido *

Na história das línguas internacionais e de cultura mais próximas existírom várias possibilidades para " limpá-las, fixá-las e dar-lhes esplendor". Um dos sistemas mais utilizados consistiu em restaurar as formas mais genuínas e legítimas, documentadas nos textos escritos das épocas em que eram línguas "normais", de uso generalizado e com prestígio literário, mesmo na Idade Média.
A história do galego, como é bem conhecido até polos estudantes dos últimos cursos da ESO, é umha história "anormal", interrompida, dominada por outra língua muito próxima, que chega às Canárias e à América na última década do século XV, e que se impom nos territórios da Península Ibérica, excepto em Portugal. A partir deste momento (e inclusive muito antes), o galego como língua oral incorpora muitíssimos castelhanismos (abuelo, adiós, carretera, escuela, gallego, miércoles, justicia, ochenta...) até tal extremo que foi necessário, com a chegada da democracia, iniciar um trabalho laborioso para conseguir restaurar formas hoje admitidas como correctas.
Alegar por parte de um organismo, para defender e refrendar como legítima e cientificamente correcta umha variante com uso ao longo da história da língua oral, é um argumento sem base científica e que priva, automaticamente, de auctoritas os integrantes de dito organismo. A Academia Galega recebeu a auctoritas por Decreto e com a mesma facilidade que se outorgou essa auctoritas, com a mesma facilidade também se lhe pode retirar.
Na história da Galiza sobram argumentos filológicos, históricos, culturais, sociais e até políticos (lembremos apenas o Sempre en Galiza de Castelao, a Historia de Galiza de Otero Pedraio, o boletim d´As Irmandades da Fala, a Revista Nós...) para restaurar Galiza como única forma legítima, normativa e claramente diferenciada da castelhana Galicia.
Nom deixa de surprender que nuns momentos em que há problemas e conflitos na economia, na sanidade, nas estradas..., umha destacada dirigente do BNG ignore qual é o nome correcto na língua autóctone do País, aliás perfeitamente assente na história do galeguismo e do nacionalismo galego. Acaso é tam importante proibir e até proscrever a memória histórica deste País?
* Catedrática da Universidade de Vigo

Suscriptor | Opinión

Contenido exclusivo para suscriptores digitales

Agitad los cerebros, fratres

"Morir viviendo, vivir muriendo" ¿Cómo no iba a ir el lunes tarde a...

 
 

SANTIAGO LAGO PEÑAS*

¿Condenados?

En 2003 me tocó presidir un grupo de reflexión de los Consejos Económicos...

 
 

JAVIER SÁNCHEZ DE DIOS

El momento...

Sin la menor intención de comparar, ni tampoco de mezclar churras con merinas, a estas...

 
 

EDUARDO JORDÁ

Fenómenos paranormales

He aquí un fenómeno que tendrán que estudiar los psicólogos y los...

 
 

JOSÉ MANUEL PONTE

Sobre los presos políticos

El victimismo de Jordi Sànchez y Jordi Cuixart

 
 

JOAQUÍN RÁBAGO

Venezuela

La UE va a adoptar medidas contra el régimen de Maduro

 
 
Enlaces recomendados: Premios Cine